Museu do Índio Portal Brasil CGU - Acesso à Informação
Trocar cores de fundo Fundo branco Fundo cinza Fundo marrom Fundo vermelho Fundo amarelo Fundo verde

Museu do Índio - Projetos

Página Inicial > Educativo > O Kuarup é uma festa para celebrar a memória dos mortos

Pesquisa Escolar

O Kuarup é uma festa para celebrar a memória dos mortos

Os troncos feitos da madeira "kuarup" são a representação concreta do espírito dos mortos.

 

Foto: Roberto Stuckert Filho
 
Apresentação de luta
        O Kuarup é um ritual de homenagem aos mortos ilustres, celebrado pelos povos indígenas da região do Xingu, no Brasil. O rito é centrado na figura de Mawutzinin, o demiuro e primeiro homem do mundo da sua mitologia. Kuarup também é o nome de uma madeira. Em sua origem, o Kuarup teria sido um rito que objetivava trazer os mortos de novo à vida.
        Os troncos feitos da madeira “kuarup” são a representação concreta do espírito dos mortos. Corresponderia à cerimônia de finados, dos brancos. Entretanto, o Kuarup é uma festa alegre, onde cada um coloca a sua melhor vestimenta na pele. Na visão dos índios, os mortos não querem ver os vivos agindo de forma triste ou feia.
O Kuarup da tribo Kuikuro
        Os Kuikuros (região do Rio Kuluene) realizam uma cerimônia do mais profundo sentimento humano todo ano, no mês de maio, e sempre em uma noite de lua cheia. Os índios desta tribo convidam as tribos amigas para evocarem juntas as almas dos mortos ilustres. Ainda durante a noite, trazem da floresta várias toras de madeira, conforme o número dos que desapareceram. Essas toras são organizadas em linha reta, no centro do terreiro em frente às malocas. Cada tora recebe a pintura das respectivas insígnias que, em vida, os distinguiam como pajés, guerreiros, caçadores, ou até mesmo aqueles que mais descendentes legaram à comunidade. Enquanto são executados estes trabalhos, alguns homens com arco e flecha entoam hinos aos mortos.
Preparação do tronco
        Tudo pronto, aos gritos de há-ha, vão os homens às malocas e de lá voltam acompanhados das mulheres e crianças. As mulheres, de cabelos soltos, trazendo algumas frutas e guloseimas, em largas folhas de palmeira, outras, ricos cocares, plumagem de coloridos vivos, braceletes e colares. Aproximam-se em passos harmoniosos dos kuarupes e, em voz baixa como um sussurro, travam com eles um pequeno diálogo, que parecem exprimir toda a gratidão, falando-lhes das saudades que deixaram, oferecendo-lhes ao mesmo tempo os frutos e guloseimas.
        Ao cair da noite, os homens trazem da floresta archotes de palha incendiados, cuja luz faz brilhar os corpos untados de urucum em reflexos metálicos que desenham toda a beleza dos seus corpos.
        A “dança do fogo” começa primeiro em passos cadenciados. Em seguida o ritmo aumenta de velocidade ao som do chocalhar dos maracás e das canções místicas. O pajé é o responsável pela evocação a Tupã, implorando fazer voltar à vida os mortos ilustres que estão sendo representados pelas toras. O momento ideal para o ritual é quando a lua cheia se encontra no máximo de sua beleza.
        Terminando a evocação, os homens se dispersam pelo terreno em pequenos grupos, enquanto só o pajé continua a entoar as suas loas até o alvorecer. As mulheres voltam para ouvirem os cânticos que anuncia o sol, feito voltar à vida os mortos ilustres.
        Então começa a dança da vida, que é executado pelos atletas da tribo, cada um trazendo ao ombro uma longa vara verdejante, símbolo dos últimos nascidos na comunidade. Os atletas formam um grande círculo correndo em volta dos kuarupes, ao mesmo tempo em que os reverenciam. Depois o grande círculo se divide em dois, e rapidamente vários grupos são formados, representando cada um uma tribo.
 
veja mais...
http://www.berohoka.com.br/Noticia/2,349,0,0,0,0/Kuarup_-_festa_para_celebrar_a_memoria_dos_mortos.html